POESIAS EM FOCO

terça-feira, 29 de março de 2011

O BOI ZEBU E AS FORMIGAS



Um boi zebu certa vez
Moiadinho de suó,
Querem saber o que ele fez
Temendo o calor do só
Entendeu de demorá
E uns minuto cuchilá
Na sombra de um juazêro
Que havia dentro da mata
E firmou as quatro pata
Em riba de um formiguêro.

Já se sabe que a formiga
Cumpre a sua obrigação,
Uma com outra não briga
Veve em perfeita união
Paciente trabaiando
Suas foia carregando
Um grande inzempro revela
Naquele seu vai e vem
E não mexe com mais ninguém
Se ninguém mexe com ela.

Por isso com a chegada
Daquele grande animá
Todas ficaro zangada,
Começou a se açanhá
E foro se reunindo
Nas pernas do boi subindo,
Constantemente a subi,
Mas tão devagá andava
Que no começo não dava
Pra de nada senti.

Mas porém como a formiga
Em todo canto se soca,
Dos casco até a barriga
Começou a frivioca
E no corpo se espaiado
O zebu foi se zangando
E os cascos no chão batia
Ma porém não miorava,
Quanto mais coice ele dava
Mais formiga aparecia.

Com essa formigaria
Tudo picando sem dó,
O lombo do boi ardia
Mais do que na luz do só
E ele zangado as patada,
Mais força incorporava,
O zebu não tava bem,
Quando ele matava cem,
Chegava mais de quinhenta.

Com a feição de guerrêra
Uma formiga animada
Gritou para as companhêra:
Vamo minhas camarada
Acaba com os capricho
Deste ignorante bicho
Com a nossa força comum
Defendendo o formiguêro
Nos somos muitos miêro
E este zebu é só um.

Tanta formiga chegou
Que a terra ali ficou cheia
Formiga de toda cô
Preta, amarela e vermêa
No boi zebu se espaiando
Cutucando e pinicando
Aqui e ali tinha um moio
E ele com grande fadiga
Pruquê já tinha formiga
Até por dentro dos óio.

Com o lombo todo ardendo
Daquele grande aperreio
zebu saiu correndo
Fungando e berrando feio
E as formiga inocente
Mostraro pra toda gente
Esta lição de morá
Contra a farta de respeito
Cada um tem seu direito
Até nas leis da natura.

As formiga a defendê
Sua casa, o formiguêro,
Botando o boi pra corrê
Da sombra do juazêro,
Mostraro nessa lição
Quanto pode a união;
Neste meu poema novo
O boi zebu qué dizê
Que é os mandão do podê,
E as formiga é o povo.


Do livro Ispinho e Fulô – Patativa do Assaré

6 comentários:

  1. Querido, simplesmente maravilhoso!
    Cultura brasileira.
    bj e linda semana

    ResponderExcluir
  2. Magnifico, adorei uma leitura cativante.
    Uma grande fidelidade a cultura regional brasileira.
    Parabens!

    ResponderExcluir
  3. Patativa do Assaré e seus folclores.
    Que coisa mais bela!!!
    Assim seria a humanidade se deixasse dos seus individualismos e agisse, às vezes feito formiga...
    Adorável postagem.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  4. Rs, a união faz a força...

    Beijos e bom domingo,

    ResponderExcluir
  5. COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?
    O Fanzine Episódio Cultural é uma jornal bimestral sem fins lucrativos, distribuído na região sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Belo Horizonte, Salvador-BA e Rio de Janeiro. Para participar basta enviar um poema, um conto; ou matérias sobre esporte, moda, sociedade, curiosidades, artesanato, artes plásticas, turismo, biografias, sinopses, curiosidades, folclore, saúde, artes cênicas e dramáticas, música, fotografia, etc (em Times Roman 12).
    Favor anexar uma fotografia sua, ou alguma imagem relacionada ao conteúdo. Caso o artigo não seja seu, favor informar a fonte.

    PARA ENTRAR COM CARLOS (Editor)
    Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1464676950&ref=profile
    machadocultural@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. Hehehehe... bom demais!!! Mas eu confesso que morri de pena do zebu...

    ResponderExcluir