POESIAS EM FOCO

terça-feira, 10 de abril de 2012

ASTRO MEU




ASTRO MEU

Fulguras na nascente dos meus sonhos,
És voz fremente a minha estrela guia;
Astro que adormece em minha insônia,
És fado farto, cheiro de magia.
...
Viajo no seu brilho estonteante,
Deliro no seu corpo sedutor,
Me acho na proeza da sua boca,
E morro na gradeza do seu amor.
...
És rosa rara meiga e cristalina!
Fanal a me guiar na escuridão,
A brisa que acalanta dessabores,
O toque que me leva a exaustão.
...
A te bendigo astro peregrino...
Que nunca em meus sonhos, hás de faltar!
Que sejas a demência dos meus dias,
A luz do universo a me velar.



5 comentários:

  1. Que lindo! Quanta intensidade para se falar do sol... que até à noite está presente, iluminando a lua.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, Van. Você cada vez se supera. O Sol deve ter ficado com o "ego" nas alturas, tamanha bendita exaltação que fizestes para ele em forma de um excelente poema!
    Sou sua fã, sempre serei!
    Um beijo lindo no seu coração, meu amigo!
    Tenha uma semana abençoada!

    ResponderExcluir
  3. Fala do sol ou faz uma analogia ao amor...? Também cabe.
    Beijos e apareça...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma analogia a um amor que o tempo levou... Um abração poetisa.

      Excluir